Categoria: Bem Na Moda

Bem Na Moda – Moda Agênero

Hello amores!

Já ouviram falar nessa moda? Pois é, esse conceito que começou a perpetuar no mundo fashion no ano passado, ainda desperta curiosidade até porque não é de hoje que o mercado da moda revela traços da não categorização e separação das peças por gênero.

O gênero foi criado para poder separar as pessoas do sexo feminino das pessoas do sexo masculino. E tudo vira uma ferramenta para fazer essa separação ser uma realidade. Existe “brinquedo de menino” e “brinquedo de menina”, comportamento feminino e masculino, os próprios conceitos de masculinidade e feminilidade e também… a moda.

Mulher não pode usar roupas masculinas, homem não pode usar saia e cropped. Mulher tem que estar sempre fofa, arrumadinha, com roupas em tons claros e homem não pode ser arrumado senão já é chamado de gay – e já chegaram até ao absurdo de inventar até o termo ‘metrossexual’ para homem hétero que gosta de se arrumar.

A moda é uma ferramenta muito forte para expressar o “gênero”. Mas, afinal, expressar o gênero de um jeito ou de outro vai mudá-lo? Se uma pessoa que se identifica como homem quiser colocar uma saia, ela será menos homem? Não. Não será.

Porque roupa não tem gênero e roupa não tem o poder de “mudar” seu gênero. Com esse pensamento, as marcas de roupas começaram cada vez mais a pensar em uma “moda agênero”, reconhecendo que vestimentas podem ser usadas por qualquer pessoa.

Reconhecer que a moda não precisa perpetuar essa ideia de gênero e que as pessoas vestem o que elas bem entendem é um passo muito importante. Porém ainda há muito mais a ser feito.

Por exemplo, não adianta lançar uma linha de roupas “agênero” e continuar tendo seções para homens e seções para mulheres. E roupas agênero não significam roupas cinzas e sem corte. Saias, blusinhas, roupas curtas, justas, camisetões, calças, estampas de bornoleta, estampas de caveira… Todas essas roupas não têm gênero. São roupas e apenas roupas e todas as pessoas podem vestí-las.

A moda agênero nada mais é do que afirmar isso. Afirmar que as roupas são para todos e não existe “roupa de homem” e “roupa de mulher”.

Para entender melhor este assunto, confiram a matéria completa sobre moda agênero no meu quadro Bem Na Moda da RIC TV Record Blumenau!

Beijos
Anna

 

Deixe seu comentário