Categoria: Viagem

Férias na Jamaica

Siiiiim, já fui pra Jamaica! E depois que assisti a matéria do Globo Repórter da última sexta-feira, onde a Glória Maria mostrou as belezas dessa ilha insular que fica no mar do Caribe, fui correndo pegar meu álbum escanear as fotos dos 7 dias que passei por lá ao lado do Heitor (na época éramos noivos!) para compartilhar com vocês! Até porque, quando se fala em Jamaica, todos logo associam o país a música e a maconha. A beleza da Jamaica é de tirar o fôlego, e tudo que eu vivenciei neste lugar jamais se apagará da minha memória, e sou eternamente grata ao Heitor por ter dividido este sonho dele comigo!

jamaica-lillys-trends-capa

Mas vamos do princípio: nós dois morávamos nos EUA, na costa leste em Connecticut, trabalhávamos no 2º maior cassino do mundo, o Mohegan Sun, (era um programa de 10 meses de intercâmbio), e em abril de 2006 pegamos 1 semana de folga dos nossos trabalhos e nos aventuramos pela Jamaica. O sonho de conhecer este país era do Heitor, fã do Bob Marley! E eu fui na onda, até porque nos EUA naquela época era frio ainda e eu adorava um sol e na Jamaica tinha “O” sol, 1000x mais forte que o daqui de Blumenau kkkkkkkkkkkkkk

Enfim, planejamos a viagem, iríamos ficar primeiro na cidade de Montego Bay (famosa por ter uma praia particular chamada Doctor’s Cave Beach que dizem ter águas medicinais e depois iríamos para Ocho Rios famosa por ser porto de entrada para a Jamaica para muitos cruzeiros, com um bom aquário, cachoeiras e paisagens. Não iríamos fazer cruzeiro, nem visitamos o aquário muito menos as cachoeiras kkkkkkkkkkkkkk, mas de lá era mais perto para visitarmos a casa do Bob Marley kkkkkkkkkkkkkkk!

Antes de pegarmos nosso voo para a Jamaica, fomos de carro até NY, dormimos uma noite num hotel (não lembro qual era), e logo cedo pela manhã pegamos o translado até o aeroporto JFK. Deixamos pago os dias de estacionamento que nosso carro ficaria no hotel. Assim como nossa viagem tbm já estava toda paga, só gastaríamos com comidas e bebidas!

Primeira parada: Montego Bay. Primeiro contato com os jamaicanos: já gostamos de cara, pessoas simpáticas, hospitaleiras, uma energia inexplicável e no lobby do hotel (ficamos no Wexford Hotel) já trouxeram um drink de boas vindas para nós!

Lembro-me que no primeiro dia passeamos nas ruas super movimentadas de Montego Bay, e só no dia seguinte fomos até a praia particular. A praia deve seu nome ao Dr. Alexander James McCatty, médico britânico que dirigiu um sanatório na área no fim do século XIX. A praia era sua propriedade particular e, para entrar, os hóspedes tinham que passar por uma caverna. Embora ainda seja uma propriedade particular, o público pode visitá-la mediante o pagamento de uma pequena taxa. Paga-se um valor X e vc fica o dia todo por lá. Areia branca, água azul-turquesa e um bar tornam esta praia um local perfeito para relaxar no clima sempre ameno da Jamaica. Além disso tudo, tinha uma cama elástica IMENSA no fundo do mar para vc tomar banho de sol (meu caso) ou ficar pulando com as crianças e se jogar na água (no caso do Heitor).

jamaica-lillys-trends-1

Passeando por Montego Bay

A água é quente o ANO INTEIRO e enquanto o Heitor se divertia na cama elástica, eu aluguei uma esteira e fiquei boiando até me queimar toda, bem colona kkkkkkkkkkkkkk

Aproveitando os dias ensolarados na Doctor's Cave Beach

Aproveitando os dias ensolarados na Doctor’s Cave Beach

Como éramos jovens, tínhamos 23 e 25 anos, não fizemos passeios mirabolantes iguais aos que a Glória Maria apresentou na TV, confesso que gostaria de voltar e fazer alguns que ela fez, mas na época só queríamos saber de “sombra e água fresca”, pois vínhamos de um ritmo mega acelerado e exaustivo dos nossos trabalhos no cassino. Eu trabalhava de garçonete num dos buffets do Mohegan e o Heitor trabalhava no serviço de quarto do hotel. Muitos brasileiros tbm tiraram alguns dias de folga/férias e fizeram cruzeiros pelo Caribe.

mohegan-lillys-trends

Trabalhando e me divertindo!!!

Ok, o foco não é o job que eu exercia nos EUA, vamos voltar para a Jamaica!!!

Segunda parada: Ocho Rios. Ficamos no MENOR MELHOR hotel da Jamaica chamado Rooms On The Beach Ocho Rios. Era maravilhoso acordar e ver aquele mar lindo na sua janela e todo dia um novo navio de cruzeiro em frente a sua porta. A praia em frente ao hotel era surreal aos nossos olhos,  maravilhosa com árvores que faziam sombra e dispensavam o guarda sol. No nosso primeiro dia por lá, fizemos a mesma coisa que em Montego Bay: passeamos pelas redondezas para conhecer um pouco o local. A localização do hotel era muito boa, próximo aos centros de compras, dando para caminhar a pé.

jamaica-lillys-trens-4

Um pouco do hotel que ficamos em Ocho Rios

Em Ocho Rios ficamos 3 dias, e o propósito era visitar a casa em que viveu Bob Marley. Lembrando que em Kingston, na capital da Jamaica, fica o MUSEU em homenagem a ele. No dia do passeio, uma van nos pegou no hotel e de lá seguimos para outros hotéis para pegar outros turistas que fariam o passeio conosco. Nunca me senti tão “pobre” nesse dia, kkkkkkkkkkk entrávamos em cada resort de LUXO para pegar os turistas que eu queria infartar kkkkkkkkkkkkkkkkkk. O passeio durou 2 horas, fiquei meia enjoada nesse passeio pq lá o volante dos carros são do lado direito, nosso motorista dirigia rápido e eram várias curvam a beira dos penhascos. Chegando na vila onde ele nasceu, uma periferia, muito mas muito humilde, encontramos com pessoas de vários locais do mundo. Todos curiosos para conhecer o local onde ele viveu até os 13 anos. Tínhamos esperança de encontrar sua mãe, que na época ainda era viva e ainda morava por lá, mas não a encontramos!

Heitor estava estasiado, feliz que estava realizando um sonho! No quarto do cantor, ele se deitou na cama dele!!! E no local, foi construído um mausoléu onde o corpo dele desanca. Um túmulo todo em mármore, e vc só pode entrar descalço, AH NÃO LEMBRO PQ NÃO TIREI FOTOS DA CASA, OU NÃO PODIA OU A BATERIA TINHA ACABADO…, enfim, e vc pode deixar “oferendas” – leia-se: $$$! No mausoléu, bem em cima do túmulo, um vitral com a estrela de Davi ilumina o ambiente a cada nascer do sol.

Bom depois da visita a casa dele, ainda passeamos por outros locais próximos, e num determinado momento passamos uma plantação imensa de maconha, mas não paramos pq não pagamos essa parte do passeio, kkkkkkkkkkkkkkkk não estava incluso! Só sei que paramos numa feira, tipo feira livre, e descemos da van, nosso guia ofereceu para experimentarmos pedaços de abacaxi, ISSO MESMO: A B A C A X I S!!! O abacaxi é a fruta nacional da Jamaica, o sabor nem se compara com o abacaxi que estamos acostumados aqui do Brasil. sério: é delicioso!

Mas nem só de belezas naturais, paisagens indescritíveis é que vive a Jamaica. A pobreza é nítida nos passeios, chega a ser meio que surreal de um lado: resorts luxuosos a beira do mar, e do outro lado da rua: pobreza e miséria. Nos falaram em ambos hotéis que não era bom passear a noite nas ruas, que era melhor ficar no hotel, pois assim fizemos.

jamaica-lillys-trends-5

Imagens de Ocho Rios

Hora de voltar. No aeroporto revistaram nossas malas, adivinhem porqueeeeee? O trafico de ABACAXIS por lá é grande, juro por deus. Quando reviraram minha mala para ver se eu não estava levando nenhum abacaxi me deu acesso de riso kkkkkkkkkkkkkkkk nunca vou me esquecer disso. Só por Deus kkkkkkkkk!

Agora pasmem com a nossa volta: retornamos para NY para pegar nosso carro e seguir em direção a Norwich onde morávamos. DETALHE: não tínhamos mais nenhum dinheiro. Nada. ZERO. Gastamos tudo, adivinhem em que? COMIDA kkkkkkkkkkk a comida Jamaicana era deliciosa, lembrava muito a nossa e nos perdemos na hora das gorjetas kkkkkkkkkkkkkk pqp pobre é uma desgraça. Para terem uma idéia: não compramos nada, nem pra nós, minto, compramos um porta retrato, um copo de shot e um short medonho (pra mim) escrito Jamaica na bunda.

Já sabíamos que a situação estava preta, mas só tivemos certeza quando chegamos em NY e na consulta na máquina do cartão que comprovamos. Até aí, ok, já estava tudo pago,o estacionamento tbm, massssssssssssssssssss nos lembramos que até chegarmos em nossa casa teríamos D O I S pedágios para pagar. Pagar como, se não tínhamos NADA? Heitor tinha um cartão internacional do pai, mas a bosta da máquina do hotel não aceitou ou sei lá oq. O jeito foi apelar para um “jeitinho brasileiro”, a cara de pau, e pedir no lobby do hotel uma “forcinha”. O pessoal juntou umas moedas e nos deram em um envelope kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk JURO! Deu certo, pagamos os pedágios, chegamos em casa, e em 1 semana de trabalho recuperamos tudo o que gastamos!

Amei reviver tudo isso! Espero que tenham gostado desse post, quem sabe qqr hora faço um contando um pouco da nossa vivência no intercâmbio, afinal fiz 2 e no primeiro (estive no mesmo lugar nas 2x), conheci o Heitor!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Beijos
Anna

Deixe seu comentário